quinta-feira, 4 de junho de 2009

Ecletismo, Sincretismo ou Dogmatismo?

Que quero dizer com esta pergunta? É a respeito da dificuldade que certas pessoas têm em aceitar que os outros montem seu próprio modo de vida, sua filosofia, sua religião, em ver que existem uma verdade para cada um de nós, e não uma única e simples verdade.

Vamos primeiro pegar algumas definições do Dicionário Aurélio, em cima da qual discutiremos:

Ecletismo: Posição intelectual ou moral caracterizada pela escolha, entre diversas formas de conduta ou opinião, das que parecem melhores, sem observância duma linha rígida de pensamento.
Sincretismo: Tendência à unificação de idéias ou de doutrinas diversificadas e, por vezes, até mesmo inconciliáveis; Fusão de elementos culturais diferentes, ou até antagônicos, em um só elemento, continuando perceptíveis alguns sinais originários.
Dogmatismo: Doutrina que afirma a existência de verdades certas e que se podem provar indiscutíveis; No kantismo, doutrina cujos princípios e proposições são aceitos de modo não-crítico.

Duas perguntas simples:
- supomos que a Tigre, além de canos, fizesse tudo que fosse material de construção. Você compraria todos materiais desta marca, para manter a uniformidade, ou buscaria comprar, para cada item, o que melhor lhe aprouvesse e melhor se encaixasse em sua obra?
- você é fã da marca Consul, pois tem confiança nela e os produtos desta marca que você comprou nunca deram problema. Mas mesmo assim, quando for comprar um novo eletrodoméstico, você vai direto nesta marca, ou faz uma pesquisa para verificar qual comprar?

Então pergunto: porque não posso eu, pegar o melhor de cada filosofia, de cada religião, e adaptar a minha vida, de forma que eu torne-a agradável para mim e para os que me rodeiam?

O sincretismo não é desejável, pois acaba tentando unir aquilo que é inconciliável. É claro que não tenho como seguir ao mesmo tempo uma religião que acredite em reencarnação e outra que não acredita. Mas eu, não acreditando em reencarnação, posso muito bem pegar outros elementos da religião que acredita, elementos estes que possam somar beneficamente em meu modo de vida.

A isto chamamos ecletismo, onde buscamos o melhor de cada método ou sistema, de forma a montar um sistema próprio que tenha o melhor de cada parte. Porque isto incomoda algumas pessoas?

Daí vem o dogmatismo. A mania de achar que a sua verdade é a única que tem validade. Pior, pois alguns dogmas são aceitos simplesmente por serem dogmas, sem que sofram qualquer iluminação pela razão. Ao final coloco uma historinha sobre macacos que ilustra bem o dogmatismo. Veja bem, acredito que algumas verdades são incontestáveis, mas o são por terem sido exaustivamente provadas como tal, e não simplesmente por eu acreditar que sejam verdades. Se assim for, já entra-se no campo da fé, em cima da qual não se aplica nenhuma discussão racional, o que não é o caso neste artigo.

Um exemplo dogmático bem claro: a questão do aborto. Para os católicos é uma prática inconcebível. Tudo bem, se a pessoa optou por seguir a religião católica, cabe a ela seguir este dogma, ou seja, escolhi seguir um sistema, então este sistema pode cobrar de mim suas posições dogmáticas. Agora, a Igreja Católica querer que toda sociedade aceite esta questão como ela a vê, é querer impor uma verdade sua para todo mundo. A questão legal deixa-se com o judiciário, a questão religiosa, que cobrem de seus seguidores, tão somente.

É preciso então abrir a mente, e ver que o mundo é composto de diversos modos de vida, filosofias e religiões, cada um com suas verdades e seus dogmas, sendo cada uma delas aceitável para seus seguidores. Se eu posso, sem atentar contra o bom senso e a razão, abarcar vários aspectos de cada um deles, tornando-me uma pessoa melhor, mais colaborativa com a sociedade, porque não fazê-lo? Só para agradar a alguns mandantes? Para agradar alguns seguidores que acreditam piamente em tudo, sem jamais questionar? Pior, além de não questionar, ainda não querem ver uma verdade quando lhes é mostrada? É possível sim, sem atentar contra sua religião ou filosofia, tentar expandir sua mente e seu espírito buscando a melhoria pessoal, como forma de ser um cidadão mais útil e prestativo aos outros.

Um princípio humanista que bem cabe nesta questão é o da "livre investigação". Não se pode, dogmaticamente, impor qualquer amarra à mente do homem. O sectarismo (espírito ou atitude sectária; intolerância) praticado por qualquer tipo de instituição, religiosa, social ou política, simplesmente tem o condão de tornar o homem emburrecido. Conforme a Declaração Humanista, "... a verdade é mais facilmente descoberta se existe oportunidade para troca de opiniões contrárias; o processo de intercâmbio é frequentemente tão importante quanto o resultado".

Assim, sejamos mais ecléticos sim, cuidando para não sermos sincréticos, e de modo algum sejamos dogmáticos a ponto de ignorar ou rechaçar uma boa discussão em torno de idéias e opiniões discordantes. É assim que podemos crescer na vida!

Ah ... ia esquecendo; a historinha dos macacos e os paradigmas(retirada do livro de João Girardi):Um grupo de cientistas colocou cinco macacos numa jaula; em cujo centro colocaram uma escada e, sobre ela, uma penca de bananas. Quando um macaco subia na escada para apanhar as bananas, os cientistas jogavam água fria naqueles que estavam no chão. Depois de um tempo, quando um macaco ia subir na escada, os outros o enchiam de pancadas. Passado algum tempo, nenhum macaco mais subia na escada para pegar bananas. Então os cientistas substituíram um dos macacos. A primeira coisa que o macaco novo fez foi subir a escada, sendo rapidamente retirado pelos outros, que o surraram. Depois de algumas surras, o novo integrante do grupo não mais subiu a escada. Um segundo macaco foi substituído, e o mesmo ocorreu, e assim por diante. Após o último macaco veterano ter sido substituído, os cientistas ficaram com um grupo de cinco macacos, que mesmo nunca tendo tomado um banho frio, continuavam batendo naquele que tentasse subir as escadas para pegar as bananas. Se fosse possível perguntar-lhes porque batiam em quem tentasse subir na escada, a resposta provável seria: "Não sei, as coisas sempre funcionaram assim por aqui..."

7 comentários:

Anônimo disse...

Meu irmão , gostei muito das colocações . Está no caminho certo.

Marcos Marinho

Anônimo disse...

Bom, gostei. É aí que se encontra o problema da maioria das religiões (cristãs principalmente), a da verdade única e não discutível, pois está baseada na fé e não na discussão das idéias. A religião não pode aceitar que uma verdade hoje possa se tornar uma inverdade amanhã, por mais que pesquisas tenham provado o contrário. Se ela fizer isso a fé não funciona mais.Eu não posso ter uma fé cega numa coisa que alguém me disse que é assim e amanhã esse alguém vir e me dizer: sinto muito, o que eu fiz tu acreditar estava errado. Eu simplesmente não vou mais acreditar nessa pessoa.

Anônimo disse...

Esqueci de assinar:
Jaime Pohlmann

Jefferson Schmidt disse...

Também gostei, meu irmão!!!

Rúbio disse...

Valeu cara. Acertou em cheio. Continue assim e estarás nos surpreendendo a cada momento, sucesso para vc. 1 abraço

Miguel disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Miguel disse...

Boa Leandro. Uma bela análise.
Tens toda a razão. Misturar e discutir é a melhor tática para a evolução.